Prezados Senhores:

Adquiri há cerca de um mês e meio um notebook DELL Inspiron Gaming Edition i15-7559-A30 no site do Submarino, e o recebi em 26/05. Ate então sem problema, o equipamento funcionou quando ligado no carregador, basicamente sendo usado como desktop. Neste fim de semana pela primeira vez usei o equipamento como notebook o levando em uma viagem. Hoje ontem foi colocar de novo na tomada para usar a bateria , o mesmo apresentou mensagem que nao reconheceu o carregador. Apos varias tentativas, entrei em contato com o suporte DELL via chat, que apos 1 hora e meia de tentativas de atualizar drivers, bios e rodar diagnósticos, pediu pra enviar fotos do conector do carregador e a respectiva entrada do notebook. Apos remeter as fotos , cerca de 20 minutos depois veio a informação que o carregador estava com o conector danificado , com o pino central torto ( ver fotos) e o mesmo so poderia ser reposto através de uma "peca de reparo" e que poderia me fornecer uma cotação . A questão eh que eu nao fiz nada de anormal com o conector fora conecta-lo no respectiva entrada do notebook e o tal pino como mostra a foto é interno e protegido e de muito difícil acesso externo fora que usasse uma ferramenta pontiaguda como um alicate de eletrônica pra entorta-lo coisa que eu certamente nao fiz. Se trata de um erro de projeto e/ou fabricação pois seria no maximo a 3 ou 4 vez que eu inseri o tal conector no notebook e o mesmo deveria resistir a MILHARES deste tipo de ciclo, tipo estimando a vida util do equipamento em 5 anos no minimo umas 365 dias x 5 anos x 1 vez por dia , por 1500 vezes.. Enfim eu que paguei cerca de 5000 reais no equipamento que é um dos TOP de linha da DELL no Brasil e ter que pagar por um carregador novo porque a DELL nao fez um pino central dimensionado corretamente é uma coisa que nao posso aceitar. Muita decepção com a qualidade do equipamento que poderia caprichar num detalhe tao simples.  Possui um Macbook por 8 anos na mesmo uso e o carregador alem de menor e mais facil uso nunca deu este tipo de problema.

Grato

Ricardo Pralon